Translate

sábado, 28 de janeiro de 2017

O SEXO SEGURO E A CONTRACEPÇÃO

Aproxima-se o carnaval.
Multiplicam-se as propagandas enganosas do “contraceptivo de emergência”, que na verdade é abortivo, aliás, todas as outras pílulas ou hormonais também são (embora talvez não com tanta freqüência quanto o DIU e o “contraceptivo” de emergência). Acima de tudo, multiplica-se a propaganda enganosa do “sexo seguro só com camisinha”, a qual se mostrou insuficiente para conter a propagação da AIDS e outras doenças venéreas.
Sem dúvida, a invenção dos anticoncepcionais foi uma das que acarretou conseqüências mais nefastas para a sociedade:
1- Um número incalculável de pessoas que deveriam ter vivido, porém não chegaram a ser concebidas.
2- Um número incalculável de mortes de bebês em gestação em seus primeiros dias de vida.
3- Banalização sexual:
O ato sexual destituído de sua finalidade procriativa causou enorme aumento de casos de infidelidade conjugal, separação, divórcios, prostituição...
4- Escândalos de menores e inversão de valores morais:
Chegamos à loucura da distribuição de “camisinhas” e pílulas dentro das escolas que com sua falsa “educação sexual” escandalizam crianças e adolescentes e promovem o homossexualismo e a libertinagem, com o conseqüente aumento de mães solteiras, da pornografia e violência sexual.
5- Surgimento de novas doenças venéreas (AIDS, etc.) devido ao aumento da promiscuidade;
6- Aumento do número de abortos:
Devido ao enorme aumento da promiscuidade aumentaram também os casos de gravidezes “indesejadas”, o que per si já é um escândalo, pois todos os pais deveriam amar seus filhos concebidos, mesmo que tenham vindo “inesperadamente”. Todas as gravidezes devem ser queridas (mesmo as “indesejadas”)
7- Envelhecimento populacional e suas desastrosas conseqüências sociais;
8- Inúmeras enfermidades (efeitos colaterais) aos usuários, tão graves que podem levar a óbito. E ainda há aqueles que chamam popularmente estes venenos de “remédio”. Remédios são para enfermos, não para pessoas sadias;
9- Aumento da infertilidade e procura de métodos artificiais de fertilização que não respeitam a dignidade humana.
10- Contrôle coercitivo da natalidade por parte dos governantes e instituições internacionais:
Basta lembrar da China e seus abortos obrigatórios, do Banco Mundial que condiciona seus empréstimos a um rigoroso controle de natalidade por parte de países que a ele recorrem e da ONU (UNESCO, FNUAP), que longe de promover a paz e os verdadeiros direitos humanos passou a promover o aborto e a contracepção. Também poderosas organizações como a Ford, a HP, a IPPF, as fundações Bill e Melinda Gates, Rockfeller, MacArthur, Pathfinder, promovem mundialmente a cultura de morte.
11- Declínio da instituição familiar:
Parece aumentar cada vez mais o número daqueles que não querem se casar e constituir família.
12- Taxa de natalidade inferior à necessária para manter a população em diversos países.
13- Desequilíbrio social:
No início, na década de 60, a população pobre não tinha fácil acesso à pílula e continuavam tendo muitos filhos, enquanto as famílias mais ricas diminuíram drasticamente seus filhos, ocasionando assim menos empregadores e mais desempregados, aumentando o “fosso” entre ricos e pobres. Hoje, infelizmente, também os mais empobrecidos tem acesso à contracepção. Deveria ser proibido para eles e para todos!
Diante do crescente progresso da iniquidade a caridade de muitos se esfriará
Gregory Pincus, o inventor da pílula usou cobaias humanas para testar sua famigerada invenção: entre elas, doentes de um hospital psiquiátrico que eram obrigados a ter relações com administração de pílulas. Durante os “estudos” 3 mulheres morreram. De lá para cá os escândalos só aumentaram.
A contracepção inicialmente era proibida e não era aceita por uma grande parte da sociedade, porém, com o financiamento das organizações já citadas e a repetição de mentiras, jargões, propagandas enganosas, ocultamento de informações, a pílula foi “ganhando terreno” até desgraçadamente se tornar “normal” seu uso. O mesmo acontece pouco a pouco também com a fertilização in vidro, o aborto, o divórcio, o homossexualismo, a prostituição, a eutanásia, a ideologia de gênero, a drogadição, etc..., que com o passar do tempo, com o progresso da iniqüidade vão se tornando, infelizmente, práticas comuns.    
Existe apenas uma maneira realmente eficiente de se fazer “sexo seguro”: através da castidade, que requer a conservação da virgindade enquanto solteiro(a) e a fidelidade (e também abertura à vida) depois de casado(a)!
A Igreja sempre alertou sobre a gravidade do pecado da contracepção, mas os homens insistem em dizer que isto é retrógrado. Quando vão reconhecer seus erros?

Quanto aos casais que tem realmente motivos graves para evitar concepções podem recorrer aos métodos naturais de regulação da fertilidade tais como o Billings, que funciona, e muito bem.

Foto de bebê com cerca de 8 semanas de gestação (quase 2 meses)
           
O DOM DA VIDA
A vida humana começa no momento da concepção, momento sagrado em que Deus dá a vida a um novo ser humano.
Com apenas 18 dia após a concepção o pequeno ser humano já possui um coração bombeando sangue a todo seu frágil corpinho e um cérebro que começa a se especializar cada vez mais. com apenas 8 semanas (quase 2 meses), o bebê já possui todos os sistemas corporais funcionando, até mesmo impressões digitais. MÃE, SEU BEBEZINHO possui um coração, possui um cérebro, possui uma alma, tem sentimentos, emoções como qualquer outro bebê já nascido e é SEU FILHO(A), inocente e indefeso. MÃE, AME SEU FILHO(A) E PROTEJA-O(A). 

terça-feira, 16 de agosto de 2016

campanha de vacinação esterilizante-abortiva

A maciça campanha de vacinação contra a febre amarela em Angola será uma das muitas que na realidade tem por objetivo promover o controle de natalidade?
como exemplo, texto de pe. Lódi abaixo.
Brasil livre de rubéola... ou livre de bebês?
 (por trás da maior campanha de vacinação do mundo)
Em 1972, a Organização Mundial de Saúde (OMS) iniciou seu “Programa Especial” em Reprodução Humana. Até 1993 haviam sido gastos mais de 356 milhões de dólares em pesquisa de “saúde reprodutiva”. Faz parte deste programa o desenvolvimento de uma “vacina de regulação da fertilidade” ou FRV (fertility regulation vaccine)[1]. Para este fim, o Programa gastou aproximadamente 10 milhões de dólares de 1974 a 1992[2].
O objetivo é fazer com que o organismo da mulher crie anticorpos contra a gonadotrofina coriônica humana (HCG). Este hormônio é produzido pelo córion (membrana que envolve o embrião) logo no início da gravidez, quando a criança chega ao útero. O HCG serve de sinal químico para a formação do corpo lúteo, o qual produz o hormônio progesterona, necessário para que o bebê se aninhe no útero. Se o HCG for destruído ou diminuído, o corpo lúteo será atrofiado e não produzirá progesterona. O resultado será um aborto: o endométrio se desprende com um sangramento do tipo menstrual, sem que a mulher perceba ter abortado.
Mas obter tal resultado não era uma tarefa fácil. Pois é antinatural que o organismo humano produza anticorpos contra um hormônio que ele reconheça como próprio. Para violentar a natureza era preciso que o HCG fosse introduzido de modo “disfarçado”, combinado com um “portador”. Escolheu-se a cadeia beta (b) do hormônio HCG para servir de antígeno. Como portador escolheu-se o toxóide tetânico. Na qualidade de proteína portadora, ele introduz no organismo o b-HCG, ao mesmo tempo em que o disfarça, apresentando-o como substância Resultado: o sistema imunológico cria anticorpos não só contra o tétano, mas também contra o b-HCG, produzindo aborto. A mulher então fica imunizada contra duas “doenças”: o tétano e a gravidez.
Nos anos 90, desencadeou-se em vários países do Terceiro Mundo uma campanha de vacinação maciça das mulheres em idade fértil. O objetivo alegado seria a eliminação do tétano neonatal (conhecido como “mal-de-sete-dias”). Logo surgiu a suspeita de que, misturado ao toxóide tetânico, estivesse presente o hormônio b-HCG. Os exames confirmaram a suspeita.
No México, o Comitê Nacional Pró-Vida junto com alguns pais de família pediram amostras dos frascos da vacina e submeteram-nas a análise em diferentes laboratórios, tendo encontrado presente o HCG em concentrações de 2,1 mUI/ml até 11,1 mUI/ml, assim como imunoglobulinas de tipo IGM e IGA em diversos dos frascos analisados. [3]
Na Nicarágua, Dr. Rafael Cabrera Artola, médico encarregado da Pastoral da Vida e da Infância da Arquidiocese de Manágua, em fevereiro de 1995, submetendo um frasco da vacina ao método ELISA, obteve resultado positivo quanto à presença da subunidade beta do HCG, com uma concentração de 7,83 mUI/ml. Repetindo o teste em amostras da vacina aplicada em abril do mesmo ano, encontrou o HCG em quantidade de 2,77 mUI/ml.[4]
Nas Filipinas mais de 3,4 milhões de mulheres foram vacinadas contra o tétano. Novamente os testes de HCG nas vacinas deram resultado positivo. O mais curioso foi que o professor Hermella Pagayanan, da Universidade das Filipinas, examinou o sangue de 30 mulheres vacinadas. Vinte e seis delas tinham altas doses de anticorpos anti-HCG, confirmando o efeito da vacina.[5]
Também no Brasil, em 1995, foi feita uma vacinação de mulheres em idade fértil (de 15 a 49 anos) contra o tétano em aproximadamente 682 municípios.[6] Uma única amostra foi levada para análise na Universidade Católica de Roma, mas nela não foi detectada a presença do hormônio HCG.
A gigantesca campanha contra a rubéola
Em julho de 2008, o Ministério da Saúde anunciou “a maior campanha de vacinação do mundo”[7], chamada “Brasil livre da rubéola” com o objetivo de vacinar, de 09/08 a 12/09/08, nada menos que70 milhões de pessoas! Ora, em adultos e crianças, a rubéola é uma doença muito fraca, que rapidamente desaparece deixando o organismo imunizado contra ela. A rubéola só é perigosa se infectar gestantes. Nesse caso, a criança em gestação pode sofrer (mas nem sempre) deficiência auditiva, lesões oculares ou outros sintomas que constituem a Síndrome da Rubéola Congênita (SRC). Segundo dados oficiais, em 2007, “161 mulheres gestantes foram contaminadas, resultando em 17 casos da SRC em recém-nascidos”. Os alvos da campanha são “homens e mulheres de 12 a 39 anos, de forma indiscriminada, isto é, independentemente de já terem sido vacinados ou até mesmo de já terem contraído a doença”![8]
Ora, em um país gigantesco como o Brasil, 17 casos por ano é um número muito pequeno. Qual o sentido dessa vacinação maciça que inclui até os homens e mesmo quem já foi imunizado contra a rubéola? Sem dúvida é louvável erradicar também os pouquíssimos casos de SRC que ainda ocorrem. Mas tal preocupação com as crianças por nascer contrasta com a posição do governo Lula e do Ministro da Saúde José Gomes Temporão, que não têm poupado esforços para promover o aborto no país. Se o real desejo do governo é cuidar dos bebês em gestação, seria mais razoável investir todo esse dinheiro na infra-estrutura hospitalar materno-infantil, cuja situação atual é crítica.
Qual a origem da vacina? É importada da Índia, conforme diz o Ministério da Saúde: “Para esta campanha o produto distribuído é do laboratório Serum Institute of Ìndia LTD e cada dose da vacina contém no mínimo 1000 TCDI 50 (Tissue Culture Infectious Doses 50%) de vírus atenuado do sarampo da cepa Edmonston Zagreb, e 1000 TCDI 3 50 de vírus atenuado da rubéola, cepa Wistar RA 27/3M, ambas cultivadas em células diplóides humanas”. (Idem. Destaque nosso).
“Wistar” é o nome de um instituto de pesquisas com sede na Filadélfia (EUA), que desenvolveu uma vacina contra rubéola a partir de bebês abortados. A sigla RA27/3 (R=Rubéola, A=Aborto, 27=27º feto, 3=3º explante de tecido) refere-se a um vírus extraído do vigésimo sétimo de uma série de fetos abortados[9]. As chamadas “células diplóides humanas” são células de bebês abortados por mães que contraíram rubéola. De lá é que é extraído o vírus da vacina aplicado à população brasileira.
Embora faltem provas, as circunstâncias nos autorizam a suspeitar. Estaria o b-HCG misturado a essa vacina anti-rubéola, servindo-se dela como portadora, à semelhança do que foi feito nos anos 90 com a vacina antitetânica? Estaríamos novamente diante de uma vacina abortiva? Seria essa mais uma iniciativa da OMS para controlar o crescimento demográfico dos países pobres? A resposta a essas perguntas exigiria que se examinasse o sangue de várias mulheres vacinadas, a fim de verificar a presença de anticorpos anti-HCG, como foi feito nas Filipinas.

Roma, 4 de novembro de 2008

quarta-feira, 9 de março de 2016

vacinas causam microcefalia e não zika, aponta estudo

VACINAS PROVOCAM MICROCEFALIA, CONFORME ESTUDO.
MATÉRIA ABAIXO FOI EXTRAIDA De:
http://www.agentesdesaude.com.br/2016/02/causa-da-microcefalia-nao-e-zika-virus.html

O Zika Vírus não é responsável pelo Microcefalia, defende o PhD, Dr. Plínio Bezerra dos Santos Filho. Ele encaminhou uma denúncia sobre o assunto ao Ministério Público Federal


Microcefalia em Pernambuco e Brasil. Acabo de fazer uma denúncia assinada junto ao Ministério Público Federal. Ver abaixo:

Denúncia de Crime contra a população brasileira, uma sequência de erros e procedimentos grosseiros, realizados pelo Ministério da Saúde, SUS, seus institutos associados e suas autoridades constituídas, que provocaram e continuam provocando a atual crise de MICROCEFALIA (MC) em todo o Brasil. Análise mais detalhada e específica de dados e fatos referentes ao Estado de Pernambuco.

Denúncia registrada no Ministério Público Federal

Autor: Dr. Plínio Bezerra dos Santos Filho, PhD
Pós-doutor pelas universidades americanas de Harvard, Washington University em St. Louis e North Carolina State University; Doutor pela Washington University em St. Louis; Mestre e Bacharel em Física pela UFPE; Áreas de atuação: Ressonância Magnética, com trabalhos em neurologia, próstata, Física do Estado Sólido, entre outros.

RESUMO DESTA DENÚNCIA

A crise de Microcefalia (MC) que surgiu no Estado de Pernambuco, com um pico máximo de casos em novembro de 2015, não se deve ao vírus ZIKV e nem é uma epidemia. Quatro fatos-causa principais existem e claramente explicam os dados, números de casos e períodos das notificações.

Os dados que aqui reporto e analiso estão sob o domínio público, na imprensa e Ministério da Saúde, podendo ser verificados. Não fui permitido acesso a dados mais completos e precisos oficiais, o que, ao meu ver, tornariam esta denúncia ainda mais evidente, por recuar o pico máximo da Microcefalia em Pernambuco para trás no tempo em um mês ou mais. Me atenho ao Estado de Pernambuco, em grande parte desta denúncia, pois é o que possui dados divulgados ao público de forma mais completa e também é o marco inicial da notificação compulsória da MC no Brasil.

Os 4 fatos-causa que explicam o comportamento temporal do gráfico que apresento são:

A) O pico máximo do número de casos em Pernambuco corresponde a um primeiro trimestre de gestação entre janeiro e abril de 2015 com nascimentos microcefálicos. Isso deve-se à vacinação de mulheres em período fértil contra o sarampo com a vacina tríplice, que contém o virus vivo da rubéola. No Ceará, esta vacinação contra o sarampo em mulheres no período fértil com a vacina tríplice continuou até meados de abril;

B) O alarmante número de casos, que começam a aparecer em agosto-outubro de 2015, provoca a compulsoriedade, pelo Ministério da Saúde, de notificação de Microcefalia em todo o país. A obrigatoriedade de notificação pelo Ministério da Saúde aumenta o pico e alarga a curva gráfica em torno do seu máximo;

LEIA TAMBÉM:
A FARÇA DAS VACINAS, por Dra. Suzanne Humphries. – Quitéria Chagas 
Os Riscos da vacinação na gravidez, analisem!
O que toda gestante deve saber sobre vacinas e riscos, por Dr.Joseph Mercola. – Quitéria Chagas


C) A causa que provocou o pico máximo de casos de microcefalia em novembro de 2015, nos dados para Pernambuco, fica rarefeita e é substituída, na atualidade, por um outro fato-causa que embora presente nas notificações iniciais, era pouco evidente. Em novembro de 2014, o Ministério da Saúde inclui a vacinação contra Difiteria, Tétano e Pertussis no protocolo pré-natal de gestantes no último trimestre de gestação, a partir do sexto mês de gravidez.; e

D) O pico máximo de casos de Dengue no Estado de Pernambuco é entre 20 de março e 10 de abrilde 2015 e isso requereria, por associação, desde que temos o mesmo mosquito vetor, um pico máximo no gráfico de Microcefalia entre final de dezembro e início de janeiro de 2016 e não em novembro de 2015 como tivemos. Isso, por si só, colocaria possíveis efeitos do ZIKV como causador de Microcefalia em importãncia menor e não como o principal causador da Microcefalia.

APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS GRÁFICOS ANEXOS

É necessário lembrarmos que uma gravidez humana tem em média 9 meses.
O gráfico da Microcefalia em Pernambuco, notificação-a-notificação no tempo, mostra um evento com máximo em cerca de 20 novembro de 2015, curva VERMELHA; a totalidade dos casos notificados é apresentada na curva AZUL.
As curvas são baseadas em estatística muito simples, como as usadas para análise de epidemias. O número de casos é associado ao seu instante de notificação no tempo.

Três retângulos coloridos registram, no gráfico, regiões de interesse:

i) O retângulo vermelho, de 20 de setembro de 2015 a 18 de janeiro de 2016, marca a região da curva com notificações de Microcefalia em Pernambuco;

ii) Tomando-se o centro do retângulo vermelho e recuando todo este retângulo vermelho 9 meses no tempo, uma gestação, temos o retângulo violeta. O retângulo violeta corresponde à região no tempo de 1 de janeiro a 30 de abril de 2015. Um nascimento de microcefálico na curva do retângulo vermelho tem, necessariamente, um início de gestação no retângulo violeta, data em média 9 meses anterior;

iii) O retângulo amarelo, de 8 de novembro a 31 de dezembro de 2015, corresponde à vacinação contra sarampo em Pernambuco pelo SUS. Devido possivelmente à Copa do Mundo de Futebol, muitos estados e em sua maioria no Nordeste, apresentaram sarampo em forma quase epidêmica, entre 2013 e 2014;

iv) A curva vermelha e fina entre 15 de fevereiro e 30 de junho de 2015, com o seu máximo no início de abril, registra, para completude desta denúncia, a epidemia de Dengue em Pernambuco para 2015.

FATOS-CAUSAS, de A a D, acima:

A) VACINA TRÍPLICE: As chamadas públicas e oficiais para vacinação contra sarampo em Pernambuco, pelo Ministério da Saúde e SUS, foram de de 8 de novembro a 31 de dezembro de 2014. Isso foi devido às centenas de casos de sarampo em PE e CE.

No Ceará, a vacinação foi estendida até meados de abril de 2015 e inclusive com visitação para vacinação a domicílio. Nas chamadas oficiais, o convite é feito para a vacinação de mulheres em período fértil contra o sarampo. Se a mulher em período fértil engravidar em até 3 meses após a vacinação ou se estiver grávida, no início da gestação e não o souber, os efeitos do Rubella Virus da vacina tríplice são devastadores ao feto e são conhecidos há décadas. Problemas encefálicos, visuais ou cardíacos no feto/recém-nascido podem ser facimente encontrados na literatura deviso à rubéola.

O que atualmente se divulga como sendo ZIKV é facilmente associado à rubéola. E tivemos sim uma grande vacinação com a vacina tríplice em Pernambuco no final de 2014. Segundo o gráfico de Microcefalia para Pernambuco, Fig. 1, o máximo da curva corresponde e pode ser associado à vacina tríplice usada para o sarampo. A microcefalia é então o efeito colateral do componente de rubéola da vacina tríplice para Sarampo, Cachumba e Rubéola. Este erro é grotesco e houve.

É preciso, também, ter em mente que o vírus da rubéola provoca, quando não o aborto, a síndrome da rubéola congenita e a microcefalia é apenas uma manifestação da tríade clássica: microcefalia, catarata e surdez.

Ver a fala do secretário de saúde de Pernambuco na época:

http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/vida-urbana/2014/11/08/interna_vidaurbana,541564/dia-d-de-campanha-de-vacinacao-contra-poliomielite-e-sarampo.shtml

Esta chamada foi feita pelas várias secretarias de saude pelo nordeste, sob recomendação do Ministério da Saúde.
Devido à vacina tríplice em mulheres no período fértil, os casos de Microcefalia vão continuar até nove meses depois do término desta vacinação, mais o período inicial de atuação desta vacina no corpo da jovem, o que nos dá um total efetivo de pelo menos 12 meses após a vacina ter sido tomada.

Como um outro fato exemplo, aqui está uma das chamadas para vacinação de sarampo no Ceará:

http://g1.globo.com/ceara/noticia/2015/04/ceara-ja-tem-100-casos-de-sarampo-confirmados-em-2015-segundo-sesa.html



Vacinação é a melhor forma de prevenir o sarampo.

OBSERVAÇÃO

Não é o caso de vacinação com a vacina tríplice em mulheres grávidas. Isso pode até ter acontecido, erro grosseiro, mas não acredito ter sido a norma. Eu me refiro às mulheres que engravidaram após se vacinarem.

Temos as nossas grandes festas culturais de final de ano de 2014 e o carnaval de 2015. Os gráficos apontam para inicio de gravidez entre janeiro a abril de 2015 em Pernambuco. E o efeito da vacinação de rubéola dura meses e estes estariam associados ao primeiro trimestre de gestação.

Também, não estou me referindo a vacinas vencidas ou contaminadas, neste caso da vacinação contra o sarampo com a tríplice. Afirmo que a vacinação foi efetiva e de grande alcance nos postos de saúde de Pernambuco.

A Microcefalia que se apresenta 9, 10, 11 ou 12 meses depois de uma jovem fértil ter sido vacinada
com a tríplice é devido à componente da rubéola na vacina.

EXEMPLO

Por favor, notem este possível diálogo entre uma atendente em um posto de saúde e uma mulher jovem que foi tomar vacina de sarampo:

— Vim tomar a vacina de sarampo. Um conhecido meu está com sarampo.
Você está grávida?

— Não.

A sua carteira de vacinação… etc.

A jovem engravida nos próximos 3-4 meses e temos um percentual bem alto de casos deacometimento do sistema nervoso central do feto, devido a contaminação do feto no primeiro trimestre de gestação.

Nada mais claro do que isso para explicar como é que em Pernambuco a Microcefalia aparece com números descabidos em novembro de 2015, do litoral ao sertão, ao mesmo tempo.

A vacinação de sarampo foi oficialmente satisfatória no estado, segundo a Secretaria de Saúde Estadual.

A explosão da Microcefalia em Pernambuco provoca o próximo fato-caso:

B), abaixo.
B) NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA: O alarmante número de casos, que começam a aparecer em agosto-outubro de 2015, provoca a compulsoriedade, pelo Ministério da Saúde, de notificação de Microcefalia em todo o país. A obrigatoriedade de notificação aumenta o pico máximo da curva no gráfico e a alarga em torno do seu pico para Pernambuco.

Aqui em Pernambuco existiam obstáculos consideráveis, mesmo para médicos, para se aprofundar nos dados de microcefalia existentes na Secretaria Estadual de Saúde. A SES recebia a Declaração de Nascido Vivo (DNV) de todo estado para digitalizar e assim centralizava os dados. Acontece que a DNV não contém o dado antropométrico de perimetro cefálico, somente peso ao nascer, idade gestacional e Índice de Apgar.

A notificação de defeito congenito (incluindo microcefalia)
 ficava dependente da observação do declarante (em geral um pediatra). Portanto, a única forma fiel de acessar dados sobre microcefalia era fazer uma busca ativa nos registros das maternidades.

Provavelmente devido a isso, o Ministério da Saúde torna compulsória a notificação de casos de microcefalia em todo o Brasil no final de outubro de 2015. Mas, não está claro neste momento se todos os estados notificam a totalidade dos seus casos.

C) VACINA DTP APÓS SEXTO MÊS DE GESTAÇÃO: Não fosse o “erro” operacional devido à vacinação de jovens no período fértil contra sarampo no Nordeste, dificilmente saberiamos do efeito da vacina DTP que está provocando Microcefalia em todo o Brasil presentemente.

Em novembro de 2014, o Ministério da Saúde inclui a vacina dTpa contra Difiteria, Tétano e Pertussis no protocolo pré-natal de gestantes no último trimestre de gestação, i. e., a partir do sexto mês de gravidez. A causa que provocou o pico máximo de casos de microcefalia em novembro de 2015, em Pernambuco, fica rarefeita e é substituída, na atualidade, por este outro fato-causa que embora presente nas notificações iniciais, era pouco evidente.

Em 2014, grande divulgação pública foi feita quanto à utização da vacina dTpa (o a significa acelular) como parte do protocolo pré-natal nacional de gestantes. Foi veiculado um acordo entre o MS-SUS para repasse da tecnologia de fabricação da dTpa no Brasil, com o apoio técnico do laboratório GlaxoSmithKline Pharmaceuticals (GSK).

O instituto Butantan, que só produzia e ainda produz a DTP ou DTPw (com bactéria viva Bordetella Pertussis, da coqueluche atenuada) para o programa nacional de imunização, passaria a produzir a vacina sem a bactéria viva a vacina dTpa, usada no primeiro mundo.

 A vacina DTP deixou de ser fabricada pela maior parte das indústrias farmacêuticas do mundo. O SUS ainda usa a DTP para vacinar as crianças de 2 meses a 7 anos. Foi também anunciado, em 2014, que o Ministério da Saúde adquirira a dTpa no mercado internacional, 4 milhões de doses, ao custo de R$ 87,2 milhões, que cobririam as 2,9 milhões de gestantes e adultos em 2015, mas que progressivamente substituiria a DTP pela dTpa para todos.

http://www.blog.saude.gov.br/34736-ministerio-da-saude-disponibiliza-no-sus-vacina-contra-coqueluche-para-gestantes.html

Ministério da Saúde disponibiliza no SUS vacina contra coqueluche para gestantes.

O problema com a vacina DTP ou DTPw (atenuada), que parou de ser usada nos EUA em 1995, é que ela causa, entre outras patologias, a microcefalia. É aqui que aparece o problema:

 a) em meados de 2015, o Ministério da Saúde anuncia que não consegue comprar a dTpa no mercado internacional, pois está em “falta” e anuncia a sua troca pela vacina penta-valente, fabricada no Brasil pelo Instituto Butantan.

Isso é bastante estranho, pois na rede privada de saúde do Brasil, uma gestante pode tomar, pagando, a dTpa que não se encontra em falta.

Pergunto onde foram parar as 4 milnões de doses de dTpa para as gestantes e pessoal de saúde e que seriam usadas em 2015?

Por que em 2105 toda e qualquer menção ao acordo de transferência de tecnologia para a produção de dTpa com a GSK somem no Brasil?

Também, a própria vacina dTpa não é recomendada para uso em gestantes pelos laboratórios que as fabricam, e isso está escrito nas bulas destas vacinas.

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2015/10/30/interna_cidadesdf,504482/tres-tipos-de-vacinas-estao-com-estoque-zerado-no-df.shtml

Com experiência de 20 anos trabalhando na área, Marta Carvalho diz nunca ter visto tamanho desabastecimento.


D) O ZIKV: Uma causa e efeito devido ao ZIKV, necessariamente, acompanharia a epidemia causada pelo mosquito vetor. Não é o que a curva AZUL, Fig. 2, apresenta.

Neste momento, e desde após o pico em Pernambuco, a curva tende a uma constante de casos por dia, o que requer, em qualquer estudo de epidemias, uma causa diária constante de contaminação.

O mosquito vetor, Aedes Aegypti, é o mesmo para Febre Amarela, Dengue, Chikungunya e ZIKV. É razoável considerar, ao menos em primeira ordem, que o período de uma epidemia de dengue estaria associada a uma epidemia de ZIKV no tempo. É o mesmo mosquito. O período de incubação da dengue no homem varia de 4 a 10 dias, sendo em média de 5 a 6 dias; após este período surgem os sintomas de dengue; para o ZIKV isso está em estudo no momento. Mas o número de casos por dia é muito alto e se apresenta como uma constante, uma média de 15 casos dia desde o final de novembro de 2015.

A causa de efeito constante, os casos de microcefalia, requer uma contaminação constante. A VACINA DTP, a versão usada pelo MS-SUS é esta causa, pois todas as grávidas devem se vacinar após o sexto mês de gestação. Temos aqui uma constante que não existia antes de novembro de 2014 e isso explica o porque de todo o Brasil est´å apresentando casos de microcefalia.

Para ZIKV a curva estaria aumentando, acompanhando o aumento do aedes, como temos na propaganda oficial massiça neste momento. Mas o comportamento do gráfico requer uma causa CONSTANTE! A dengue em Pernambuco foi entre 15 de fevereiro ao final de abril. Isso significaria, se fosse o ZIKV, que é o mesmo aedes da dengue, uma grande contaminação neste período. Acontece que isso deslocaria a curva da microcefalia para meados de janeiro de 2016 e esta não seria em novembro de 2015!

O pico da dengue que está em 15 de abril, provocaria uma região de casos centrados em 15 de janeiro como temos aqui!

Dengue em PE 2015

http://www.coren-pe.gov.br/novo/wp-content/uploads/2015/09/Informe-epidemiol%C3%B3gico-Dengue-SE-01-a-34-1-1.pdf

Questiono, também, um dos marcadores usados para a identificação do ZIKV, o IgG, que aparece em contaminações pela rubéola/rubella, o que o torna inespecífico, exigindo, assim, uma procura pelo DNA do ZIKV, ou um marcador específico e único, para validar os testes de presença do ZIKV nas amostras provenientes de bebês com microcefalia.

CONCLUSÃO

Pelo que demonstro, as causas que provocaram e provocam o grande número de casos de microcefalia em Pernambuco estão associadas a 2 vacinas:

a) a vacina tríplice erroneamente administrada a jovens no período fértil e b) a vacina usada para coqueluche no Brasil pelo MS-SUS. Pernambuco teve, acredito, 60 municípios com sarampo em 2014. Foi recomendação oficial da Secretaria de Saúde do estado de Pernambuco que a vacinação de sarampo fosse feita em toda a população vulnerável nestes municípios e em quem teve algum contato com os acometidos nestes municípios. Só esta constatação explica porque a microcefalia aparece por todo o estado de Pernambuco ao mesmo tempo. Mas isso é somente o pico máximo inicial da curva de microcefalia para PE. A largura do pico tem a ver com a notificação se tornar compulsória. As notificações atuais não mais tem a ver com a vacina tríplice. O estado atual de 15 casos por dia de microcefalia em Pernambuco está relacionado com a vacina DTP, DTPw (e suas outras siglas) para difiteria, tétano e pertussis, administrada a “todas” as grávidas a partir do sexto mês de gravidez.

RECOMENDAÇÕES

Parar toda e qualquer vacinação de grávidas ou jovens no período fértil em todo o Brasil!
É muito fácil verificar o que apresento aqui:
1) Basta analisar as carteiras de vacinação das mães com crianças com microcefalia, por exemplo;
2) Fazer o cruzamento dos dados do posto de vacinação municipal, nos 60 municipios de PE com a ocorrência de microcefalia com a vacinação de sarampo;

3) Com dados oficiais completos, todo e qualquer estado da federação pode ter curvas de causa-efeito plotadas para microcefalia;

4) Apurar as responsabilidades de todas as instituições e suas autoridades, nas pessoas dos seus representantes constituídos, pelos erros e procedimentos que estão provocando este grande número de casos de microcefalia em todo o País; e

5) Acabar com esta aparente farsa que pretende singularizar o ZIKV pelos casos de microcefalia no País, quando temos duas causas gritantes que explicam o porque da quantidade absurda de casos de microcefalia no Brasil.

OBSERVAÇÃO FINAL

Me coloco à disposição do MPF para maiores esclarecimentos e para a transferência da grande quantidade de documentos, matérias e artigos científicos que pesquisei, para auxiliar as investigações.”

 Dr. Plínio Bezerra dos Santos Filho.
22 de janeiro de 2016.

Com Informações: quiteriachagas.com


 
 



https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif


quarta-feira, 7 de outubro de 2015

o grande mal da contracepção

LIVRO: "O GRANDE MAL DA CONTRACEPÇÃO"
Esta obra possui o "IMPRIMATUR" de Dom Pedro Fedalto.

O GRANDE MAL DA CONTRACEPÇÃO

DEDICATÓRIA
Ofereço este pequeníssimo livro a todos os que crêem que a vida é dada por Deus e o consagro a Deus-Criador.

O DOM DA VIDA
“A vida é sempre um bem”1 e é sempre dada por DEUS!
Logo no início da Bíblia está escrito: “Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher”(Gn 1,27).
Jesus afirmou que nem um passarinho cai por terra sem o consentimento do PAI. Ora, se até mesmo a vida de uma ave depende do consentimento de Deus, quanto mais então, a vida humana!
Ninguém existe por acaso, mas sim por obra divina. Mesmo que uma pessoa tenha sido gerada sem desejo ou sem amor por parte dos pais, Deus consentiu em criá-la com incomensurável amor!

A TRANSMISSÃO DA VIDA
Deus quis que o homem e a mulher participassem com Ele na missão de transmitir a vida, e para isso criou o ato sexual, ao qual conferiu duas finalidades: a unitiva – “o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher”(Gn2,24; Mt19,5) – e a procriativa – “sede fecundos, multiplicai-vos e enchei a terra”(Gn1,28; Gn9,1).
Quando o homem e a mulher respeitam estas duas finalidades do ato conjugal, unindo-se não apenas fisicamente, mas também amorosamente e espiritualmente até que a morte os separe e aceitando todos os filhos que Deus lhes quiser confiar, surge assim uma família desejada e amada pelo Criador!
Infelizmente, nem sempre o homem e a mulher são fiéis aos planos divinos! Muitas vezes eles deixam de respeitar as finalidades que Deus uniu ao ato sexual.
Quando, por exemplo, eles se unem sem um compromisso de união fiel até a morte, estão destituindo o ato sexual da sua finalidade unitiva - “não separe o homem o que Deus uniu”(Mt19,6) – e desonrando uma coisa tão séria e maravilhosa que Deus criou para transmitir a vida e gerar uma família.

A CONTRACEPÇÃO
E quando, por exemplo, eles se unem (mesmo que tenham assumido o compromisso matrimonial) mas fecham o ato sexual ao dom da vida, usando anticoncepcionais ou outros meios contraceptivos (esterilizações, etc.), já não estão mais sendo servos fiéis e nem colaboradores de Deus na transmissão da vida, mas passam a ser "árbitros dos planos divinos", julgando-se (mesmo que não percebam isso) os únicos responsáveis pela vida e com o direito de evitar filhos "a todo custo", até mesmo destituindo o ato sexual de sua finalidade procriativa, esquecendo-se assim de que Deus é quem é o Senhor da vida!
Se de fato cremos que a vida é sempre dada por Deus, devemos reconhecer que, pelo fato de os meios contraceptivos fecharem o ato sexual à transmissão da vida, podem deste modo, estar impedindo a concepção ou o nascimento de um filho(a) que Deus quisesse dar ao casal! Somos chamados a aceitar, não a recusar ou evitar os filhos que Deus quiser nos confiar!
Deus ordenou por mais de uma vez: "sede fecundos", mas desta forma estão sendo infecundos! Estão "enterrando" o grande "talento" da fertilidade!
Quando o ato sexual é dissociado de suas finalidades unitiva e procriativa, ele tende a se tornar um ato egoísta e hedonista.
"A Igreja ensinou sempre a malícia intrínseca da contracepção, isto é, de todo o ato conjugal tornado, intencionalmente, infecundo. Deve reter-se este ensinamento como uma doutrina definitiva e irreformatável. A contracepção opõem-se gravemente à castidade matrimonial, é contrária ao bem da transmissão da vida (aspecto procriador do matrimônio) e à doação recíproca dos cônjuges (aspecto unitivo do matrimônio), lesa o verdadeiro amor e nega a função soberana de Deus na transmissão da vida humana"2
A contracepção é portanto, um mal grave e, se a pessoa que a pratica tiver plena consciência da gravidade do ato e mesmo assim, deliberadamente o pratica, incorre então em um pecado mortal que acarretará a morte eterna no inferno se não houver arrependimento3. "No entanto, mesmo podendo julgar que um ato é em si falta grave, devemos confiar o julgamento sobre as pessoas à justiça e à misericórdia de Deus"4, pois somente Ele conhece o coração e a consciência de cada pessoa. Não devemos portanto, julgar ninguém pelo fato de praticar a contracepção e nem por qualquer outra atitude, pois o próprio Jesus disse: "Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados"(Lc6,37). Não devemos nunca julgar uma pessoa, mas devemos sim, mostrar a gravidade dos atos que ela cometeu, pois Jesus disse também: "se o teu irmão pecar, mostra-lhe o pecado entre ti e ele somente; se te ouvir, terás ganho o teu irmão. Se não te escutar, toma contigo uma ou duas pessoas, a fim de que toda a questão se resolva pela decisão de duas ou três testemunhas. Se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano"(Mt18,15-17). Quando a igreja denuncia a gravidade da contracepção, não quer julgar nem condenar ninguém, mas somente revelar o mal praticado a fim de que não seja mais cometido.
Existe ainda uma realidade ainda mais terrível, que poucas pessoas tem conhecimento: quase todos os anticoncepcionais não são somente anticoncepcionais, mas são também abortivos! Isto significa que freqüentemente eles não impedem a concepção, ou seja, o início da vida, porém geralmente causam a morte do ser humano concebido durante seus primeiros dias de sua vida. Como durante os primeiros dias o ser humano é muito pequeno, a mulher nem percebe que concebeu e nem tampouco que abortou. Muitas pessoas, mesmo sem ter conhecimento disso, estão causando a morte de seus próprios filhos devido ao uso de contraceptivos abortivos! Todos os dispositivos intra-uterinos (dius) e "contraceptivos de emergência" são essencialmente abortivos; todos os hormonais - contraceptivos orais (todas as pílulas - também as "comuns"), depo-provera (vacinas), norplantes (implantes), etc - não são somente anticoncepcionais, são também abortivos5. Estas horríveis realidades são desconhecidas porque são abafadas, são escondidas e até mesmo, cinicamente negadas, pois se viessem a ser amplamente conhecidas, isto prejudicaria os que se beneficiam dos lucros gigantescos da indústria anticoncepcional e do controle da natalidade em âmbito mundial.
"Está presente, no uso dos meios que têm um efeito abortivo, uma malícia moral muito grave e específica, que impede a implantação do embrião recém fecundado ou também causando a sua expulsão numa fase precoce da gravidez."6

A PATERNIDADE RESPONSÁVEL
A Igreja recomenda que os casais sejam generosos para com Deus-Criador, tendo numerosos filhos. “Estejam todos certos de que a vida dos homens e a missão de transmiti-la não se confinam ao tempo presente nem se podem medir ou entender por esse tempo apenas, mas que estão sempre relacionados com a destinação eterna dos homens.”7
Entretanto, “por razões justas, os esposos podem querer espaçar os nascimentos de seus filhos. Cabe-lhes verificar que seu desejo não provém do egoísmo mas está de acordo com a justa generosidade de uma paternidade responsável. Além disso regularão seu comportamento segundo critérios objetivos da moral”8.
“A continência periódica, os métodos de regulação da natalidade baseados na auto-observação e no recurso aos períodos infecundos estão de acordo com os critérios objetivos da moralidade. Estes métodos respeitam o corpo dos esposos, animam a ternura entre eles e favorecem a educação de uma liberdade autêntica.”9
Portanto, se houverem motivos graves para espaçar a gravidez (até mesmo por longo tempo ou por tempo indeterminado), somente através de métodos naturais, os casais poderão fazê-lo, nunca através de anticoncepcionais nem de meio algum que tire a fertilidade do ato sexual.
Os métodos naturais não fecham o ato sexual ao dom da vida, eles simplesmente se propõem a identificar os dias naturalmente férteis e inférteis do casal durante o ciclo menstrual. Se houverem relações somente durante os dias inférteis, a gravidez não ocorrerá.

O MÉTODO BILLINGS
É um método natural de regulação da fertilidade de grande eficiência que se baseia fundamentalmente na observação do muco cervical. O muco é uma substância produzida por glândulas do colo uterino e pode ser sentido (causando umidade) ou observado na vulva.
Quando o muco começa a aparecer ele é grosso, pegajoso, grumoso, consistente, muito pouco elástico e pode causar uma sensação pegajosa na vulva. Com o passar dos dias, o muco cervical vai tornando-se pouco a pouco mais líquido, até ficar liso, escorregadio e aquoso, semelhante à clara de ovo cru, podendo então ser distensível entre os dedos, formando filamentos finos e compridos. Neste período, o muco causa uma sensação de umidade e lubrificação na vulva podendo ser uma sensação de umidade semelhante àquela provocada pela descida da menstruação. Em seguida há uma mudança brusca e o muco assume novamente uma consistência sólida ou desaparece e a sensação na vulva volta a ser de secura. O último dia da sensação úmida e de muco semelhante à clara de ovo cru, é chamado de dia ápice de fertilidade. O ápice somente pode ser identificado no dia seguinte, quando ocorre a variação brusca no padrão de muco e a umidade desaparece, indicando assim que o dia anterior foi o ápice. Nem sempre o dia ápice é o dia em que ocorre o maior escoamento de muco, mas é o último dia de sensação de umidade.
"sensação. - O muco produz uma sensação na pele fora da vagina [vulva]. Esta é a observação mais importante.
Durante suas atividades normais no corre-corre diário, você pode reconhecer uma sensação de umidade, de viscosidade ou de nada (secura).
Uma quantidade mínima de muco, ainda não visível, pode mudar a sensação de seca até não-seca, pegajosa, apenas úmida, escorregadia ou muito úmida. Algumas mulheres ficarão desanimadas se esperam ver muco que se parece com a clara de ovo cru e que é distensível sem se romper.
Aparência. - Quando você sentir a presença de  muco, você deve reparar na aparência dele. Cada mulher tem sua maneira própria para fazer isso. Algumas passam um pedaço de papel higiênico na abertura vaginal antes de urinar. Uma mulher aprende assim a valiar suas observações pessoais.
Se existe muco suficiente para ver e recolher, ele deve ser observado com atenção quanto à sua clareza, distensibilidade, mudanças na cor (por exemplo, pode ser até manchado com sangue), ou notando se é pegajoso, com grumos ou com mudanças na quantidade.
O muco altamente fértil tem uma fluidez que permite distendê-lo facilmente e que assegura a presença fora da vagina logo depois de sua produção no colo uterino. Você não tem que examinar dentro da vagina. Confusão pode resultar de proceder assim, porque lá é sempre úmido."10
Regras para evitar a gravidez:
1. durante os dias de menstruação o método recomenda abstinência. Isto porque o muco pode estar presente embora não seja sentido nem observado devido à menstruação.
2. Após a menstruação, se houver período de secura na vulva e ausência do muco cervical, a noite do primeiro dia estará livre para o coito. No dia seguinte à menstruação não se poderá fazer uma análise segura do muco porque as secreções vaginais provocadas pelo coito, juntamente com o sêmen ejaculado, podem confundir a observação, por isso, no dia seguinte ao coito, aconselha-se guardar abstinência. Se no segundo dia após o coito houver novamente secura e ausência de muco, a noite estará novamente disponível, e assim sucessivamente, em noites alternadas enquanto houver secura e ausência de muco no segundo dia após uma relação sexual. Nesta fase as relações conjugais poderão ser feitas de noite, antes de dormir, pois na manhã seguinte a fertilidade poderá já ter voltado. Se o muco aparecer somente por um dia, aconselha-se manter abstinência neste dia e nos 3 dias consecutivos. Se após os três dias, voltar a secura sem que tenha ocorrido o dia ápice, então o casal poderá continuar mantendo a conduta das noites alternadas enquanto houver secura.
3. Se, porém, o muco continuar presente, aconselha-se a abstinência até três dias após o dia ápice. Depois disso, todos os dias (dias e noites) estarão disponíveis até o fim do ciclo. Porém, todos os três dias que sucedem o ápice devem ser de secura e com muco grosso e inelástico, ou ausente. Caso contrário, se num dos 3 dias houver muco liso e distensível, significa que o ápice ainda não ocorreu e que deve-se guardar abstinência ainda por mais três dias após o desaparecimento da umidade e do muco semelhante à clara de ovo cru.
Observações:
1- Se durante qualquer dia ocorrer algum sangramento não menstrual, deverá guardar-se abstinência neste dia e por mais três dias.
2- Em caso de stress grave, aconselha-se a abstinência. Aconselha-se fazer um registro diário das sensações causadas pelo muco e do padrão do muco, anotando a observação mais importante que ocorreu durante o dia (por exemplo umidade ou aparecimento de muco), registrando o dia em que ocorreu o ápice, os três dias consecutivos, etc.
3- Para começar a usar o método, é aconselhável 1 mês de abstinência para que a mulher possa reconhecer com precisão seus padrões de muco. Principalmente se era usuária de hormonais, pois eles alteram drasticamente os padrões e é necessário um tempo para que retornem as características naturais.
Em resumo: tipicamente, para evitar a gravidez, aconselha-se a abstinência durante a menstruação; se houver secura após a menstruação, noites alternadas de abstinência e relações sexuais; quando começam a aparecer os sinais de fertilidade (muco ou fim da sensação de secura na vulva), abstinência até 3 dias após o ápice; depois termina a abstinência.
Durante a amamentação, o método sofre algumas alterações.
1 João Paulo II, Evangelium Vitae
2 Conselho Pontifício para a Família.: Vademecum para os confessores sobre alguns temas da moral relacionados com a vida conjugal, ns. 4-5
3 cf. Catecisma da Igreja Católica, ns. 1859 - 1861
4 Catecisma da Igreja Católica, n. 1861
5 cf. Clowes, Brian; "Facts of Life" - Human Life International
6 Conselho Pontifício para a Família.: Vademecum para os confessores sobre alguns temas da moral relacionados com a vida conjugal, ns. 5-6
7 Catecismo da Igreja Católica, n. 2371
8 Catecismo da Igreja Católica, n. 2368
9 Catecismo da Igreja Católica, n. 2370
10 Billings, Eveling; "O Método Billings", ed. Paulus, 1993, pg. 37

Foto de bebê com cerca de 8 semanas de gestação (quase 2 meses)
           
O DOM DA VIDA
A vida humana começa no momento da concepção, momento sagrado em que Deus dá a vida a um novo ser humano.
Com apenas 18 dia após a concepção o pequeno ser humano já possui um coração bombeando sangue a todo seu frágil corpinho e um cérebro que começa a se especializar cada vez mais. com apenas 8 semanas (quase 2 meses), o bebê já possui todos os sistemas corporais funcionando, até mesmo impressões digitais. MÃE, SEU BEBEZINHO possui um coração, possui um cérebro, possui uma alma, tem sentimentos, emoções como qualquer outro bebê já nascido e é SEU FILHO(A), inocente e indefeso. MÃE, AME SEU FILHO(A) E PROTEJA-O(A). 

o grande mal da contracepção V

O MÉTODO BILLINGS
É um método natural de regulação da fertilidade de grande eficiência que se baseia fundamentalmente na observação do muco cervical. O muco é uma substância produzida por glândulas do colo uterino e pode ser sentido (causando umidade) ou observado na vulva.
Quando o muco começa a aparecer ele é grosso, pegajoso, grumoso, consistente, muito pouco elástico e pode causar uma sensação pegajosa na vulva. Com o passar dos dias, o muco cervical vai tornando-se pouco a pouco mais líquido, até ficar liso, escorregadio e aquoso, semelhante à clara de ovo cru, podendo então ser distensível entre os dedos, formando filamentos finos e compridos. Neste período, o muco causa uma sensação de umidade e lubrificação na vulva podendo ser uma sensação de umidade semelhante àquela provocada pela descida da menstruação. Em seguida há uma mudança brusca e o muco assume novamente uma consistência sólida ou desaparece e a sensação na vulva volta a ser de secura. O último dia da sensação úmida e de muco semelhante à clara de ovo cru, é chamado de dia ápice de fertilidade. O ápice somente pode ser identificado no dia seguinte, quando ocorre a variação brusca no padrão de muco e a umidade desaparece, indicando assim que o dia anterior foi o ápice. Nem sempre o dia ápice é o dia em que ocorre o maior escoamento de muco, mas é o último dia de sensação de umidade.
"sensação. - O muco produz uma sensação na pele fora da vagina [vulva]. Esta é a observação mais importante.
Durante suas atividades normais no corre-corre diário, você pode reconhecer uma sensação de umidade, de viscosidade ou de nada (secura).
Uma quantidade mínima de muco, ainda não visível, pode mudar a sensação de seca até não-seca, pegajosa, apenas úmida, escorregadia ou muito úmida. Algumas mulheres ficarão desanimadas se esperam ver muco que se parece com a clara de ovo cru e que é distensível sem se romper.
Aparência. - Quando você sentir a presença de  muco, você deve reparar na aparência dele. Cada mulher tem sua maneira própria para fazer isso. Algumas passam um pedaço de papel higiênico na abertura vaginal antes de urinar. Uma mulher aprende assim a valiar suas observações pessoais.
Se existe muco suficiente para ver e recolher, ele deve ser observado com atenção quanto à sua clareza, distensibilidade, mudanças na cor (por exemplo, pode ser até manchado com sangue), ou notando se é pegajoso, com grumos ou com mudanças na quantidade.
O muco altamente fértil tem uma fluidez que permite distendê-lo facilmente e que assegura a presença fora da vagina logo depois de sua produção no colo uterino. Você não tem que examinar dentro da vagina. Confusão pode resultar de proceder assim, porque lá é sempre úmido."*
Regras para evitar a gravidez:
1. durante os dias de menstruação o método recomenda abstinência. Isto porque o muco pode estar presente embora não seja sentido nem observado devido à menstruação.
2. Após a menstruação, se houver período de secura na vulva e ausência do muco cervical, a noite do primeiro dia estará livre para o coito. No dia seguinte à menstruação não se poderá fazer uma análise segura do muco porque as secreções vaginais provocadas pelo coito, juntamente com o sêmen ejaculado, podem confundir a observação, por isso, no dia seguinte ao coito, aconselha-se guardar abstinência. Se no segundo dia após o coito houver novamente secura e ausência de muco, a noite estará novamente disponível, e assim sucessivamente, em noites alternadas enquanto houver secura e ausência de muco no segundo dia após uma relação sexual. Nesta fase as relações conjugais poderão ser feitas de noite, antes de dormir, pois na manhã seguinte a fertilidade poderá já ter voltado. Se o muco aparecer somente por um dia, aconselha-se manter abstinência neste dia e nos 3 dias consecutivos. Se após os três dias, voltar a secura sem que tenha ocorrido o dia ápice, então o casal poderá continuar mantendo a conduta das noites alternadas enquanto houver secura.
3. Se, porém, o muco continuar presente, aconselha-se a abstinência até três dias após o dia ápice. Depois disso, todos os dias (dias e noites) estarão disponíveis até o fim do ciclo. Porém, todos os três dias que sucedem o ápice devem ser de secura e com muco grosso e inelástico, ou ausente. Caso contrário, se num dos 3 dias houver muco liso e distensível, significa que o ápice ainda não ocorreu e que deve-se guardar abstinência ainda por mais três dias após o desaparecimento da umidade e do muco semelhante à clara de ovo cru.
Observações:
1- Se durante qualquer dia ocorrer algum sangramento não menstrual, deverá guardar-se abstinência neste dia e por mais três dias.
2- Em caso de stress grave, aconselha-se a abstinência. Aconselha-se fazer um registro diário das sensações causadas pelo muco e do padrão do muco, anotando a observação mais importante que ocorreu durante o dia (por exemplo umidade ou aparecimento de muco), registrando o dia em que ocorreu o ápice, os três dias consecutivos, etc.
3- Para começar a usar o método, é aconselhável 1 mês de abstinência para que a mulher possa reconhecer com precisão seus padrões de muco. Principalmente se era usuária de hormonais, pois eles alteram drasticamente os padrões e é necessário um tempo para que retornem as características naturais.
Em resumo: tipicamente, para evitar a gravidez, aconselha-se a abstinência durante a menstruação; se houver secura após a menstruação, noites alternadas de abstinência e relações sexuais; quando começam a aparecer os sinais de fertilidade (muco ou fim da sensação de secura na vulva), abstinência até 3 dias após o ápice; depois termina a abstinência.
Durante a amamentação, o método sofre algumas alterações.
*Billings, Eveling; "O Método Billings", ed. Paulus, 1993, pg. 37
Foto de bebê com cerca de 8 semanas de gestação (quase 2 meses)
           
O DOM DA VIDA
A vida humana começa no momento da concepção, momento sagrado em que Deus dá a vida a um novo ser humano.
Com apenas 18 dia após a concepção o pequeno ser humano já possui um coração bombeando sangue a todo seu frágil corpinho e um cérebro que começa a se especializar cada vez mais. com apenas 8 semanas (quase 2 meses), o bebê já possui todos os sistemas corporais funcionando, até mesmo impressões digitais. MÃE, SEU BEBEZINHO possui um coração, possui um cérebro, possui uma alma, tem sentimentos, emoções como qualquer outro bebê já nascido e é SEU FILHO(A), inocente e indefeso. MÃE, AME SEU FILHO(A) E PROTEJA-O(A). 

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Santa Miriam de Jesus Crucificado

SANTA MIRIAM DE JESUS CRUCIFICADO (canonizada em 17/5/2015)

A “pequena árabe” Miriam de Jesus Crucificado foi agraciada por numerosos fenômenos místicos, humanamente inexplicáveis, mas bem documentados.
Jorge Baouardy e Maria Chayin, seus pais, após terem 12 filhos homens que morreram ainda bebês, peregrinaram a Belém para pedir a Nossa Senhora uma menina, prometendo dar-lhe, em gratidão o nome de Maria (Mariam, ou Miriam). Voltaram a pé, caminhando outros 170 km até Abellin, onde no dia 5 de janeiro de 1846 nasceu MIRIAM, na Galiléia, Israel.

Depois nasceu ainda outro filho, o Paulo.
Ainda pequenina, Miriam, ganhou uns passarinhos e após banhá-los, acabaram morrendo. Ela então, foi enterrá-los e ouviu uma voz: “TUDO PASSA! SE ME DERES TEU CORAÇÃO, FICAREI SEMPRE CONTIGO.”
Quando Miriam tinha apenas 3 anos seu pai adoeceu gravemente e sentindo chegar o fim de sua vida, diante de um quadro de São José, orou: "Grande santo, aqui está a minha filha. Nossa Senhora é sua Mãe, olhe também por ela, sirva-lhe de pai, você que cuidou tão bem do Menino Jesus."
Em seguida olhou para o quadro de Nossa Senhora e falou com fervor espiritual: "Querida Senhora e Mãe Maria, já que a Senhora nos ouviu em Belém e nos deu esta filhinha, com o mesmo nome da Senhora, quero consagrá-la inteiramente ao seu maternal Coração". Alguns dias depois faleceu. Logo depois faleceu também a mãe e o tio paterno de Miriam a adotou. Paulo, com apenas 1 ano foi adotado pela tia materna e Miriam nunca mais o viu.
Com cinco anos já jejuava todos os sábados em honra a Nossa Senhora. Desde os 7 anos a cada sábado se confessava e suplicava que o padre a deixasse comungar, embora não tivesse a idade exigida. Meses depois o sacerdote o permite. Ela, então, radiante de felicidade comunga o corpo e o sangue de Cristo e vê Jesus entregando-se a ela sob a aparência de um lindíssimo menino.
Chegando aos 13 anos, conforme costume daqueles tempos no oriente, os pais decidiam o casamento dos filhos com autoridade radical.
Miriam recebe a notícia que foi prometida em casamento ao irmão de sua tia. Quando ela recebe a data do casamento fica apavorada. De seu coração sobe a voz ouvida outrora no jardim de Abellin: “TUDO PASSA! SE ME DERES TEU CORAÇÃO, FICAREI SEMPRE CONTIGO.” Miriam passa a noite em oração diante da imagem da Virgem Santíssima. Ao cochilar, escuta um murmúrio: “MIRIAM, EU ESTOU CONTIGO; faze o que EU TE INSPIRAR, EU TE AJUDAREI”. Sem hesitar, ela corta suas longas tranças de cabelos e os mistura com as jóias recebidas do noivo e dos parentes.

O tio a esbofeteou e a chicoteou e como castigo colocou-a na cozinha, tendo que obedecer às escravas. Entretanto no coração de Miriam havia alegria, chegando a dizer mais tarde aludindo a este fato: "um passarinho parecia cantar dentro do meu peito"

Na noite de sete para oito de setembro de 1858, diante de um muçulmano que queria fazê-la maometana, professa em alta voz: “Eu, muçulmana? Jamais! Sou filha da Igreja Católica, apostólica e romana e espero, com a graça de Deus, perseverar até à morte na minha religião, a única verdadeira”.
Com um golpe de cimitarra, o islamita cortou-lhe o pescoço, e jogou seu corpo numa ruela deserta.
Miriam revelou que morreu realmente e viu o trono da Santíssima Trindade, Cristo em sua humanidade, Nossa Senhora, São José, anjos e santos e seus pais. Então alguém disse-lhe: você é virgem, sim, mas o seu livro não está acabado. Desfeita a visão, encontra-se dentro duma caverna com uma freira de azul, que lhe sorria e lhe conta como a trouxe da ruela e costurou seu pescoço. Seu sorriso era cativante e seu hábito e véu de cor azul celeste. Miriam sentiu um bem estar tão grande, que esqueceu todos os maus tratos recebidos.
A freira cuidou dela como verdadeira mãe, durante quatro semanas, dentro da caverna e ela sarou. Depois Miriam percebeu que a religiosa era Nossa Senhora.
Mais tarde, já como religiosa, quando os médicos examinaram sua traquéia vazia em certos anéis do pescoço, não compreenderam como pudesse estar viva e como pudesse ainda falar, faltando dentro da garganta algumas partes essenciais.
Em Marselha, um médico ateu confessou, ao examinar seu pescoço cicatrizado: "É impossível viver neste estado e ainda ter voz." E concluiu: "Deve existir Deus."
Após sua cura, Miriam começa a trabalhar como empregada doméstica. Durante uma comunhão, é levada em êxtase ao Céu, ao inferno e ao purgatório e recebe a ordem de jejuar a pão e água durante um ano, em expiação aos pecados de gula praticados no mundo e de se vestir pobremente para expiar as faltas de pudor e excessos de luxo.
Algumas vezes era seguida por um senhor com uma criança no colo que lhe disse sorrindo: “Sei que entrará no convento. Vou acompanhar até chegar lá.” Miriam não teve dúvida de que era São José.
Torna-se carmelita, assumindo o nome de irmã Miriam de Jesus Crucificado. Assim como santa Clara, vê acontecimentos à distância. De dentro do Carmelo vê o fuzilamento dos reféns da comuna em Paris, via Pio IX, viu o conclave que elegeu Leão XIII... . Possuía também o fenômeno da bilocação.
Em agosto de 1866, rezando na capela, viu no sacrário Jesus com as cinco chagas e a coroa de espinhos. Ouviu Jesus dizer à sua Mãe prostrada diante dele: “Como ofendem o meu Pai”. Miriam então, coloca a mão na chaga do lado e diz: “Meu Deus, por favor, passai para mim esse sofrimento, mas tende piedade dos pecadores.” Miriam começa a apresentar também os sinais dos estigmas.
Miriam previu ainda que Jesus permitiria que durante 40 dias satanás a atormentasse e tivesse poder sobre seu corpo mas sua alma ficaria resguardada. Entrou nela uma legião de demônios. Queriam arrancar-lhe o grito: “Senhor, chega de sofrer!” Eles a torturam tentando arrancar-lhe a palavra “estou sofrendo”, porém, Miriam, longe de reclamar, diz: “Ofereço o meu sofrimento a Jesus e estou disposta a suportar o que ele quiser, com prazer e amor. Sede louvado, meu Deus!”. Terríveis contorsões a levantam e a tornam rígida e diz: “Só poderei dizer que amo Jesus, mesmo que o meu corpo seja trucidado, moído como farinha. Foi Deus quem nos deu o corpo, sacrifiquemo-lo por ele”. Preferia antes morrer nas garras do demônio a que se afastar de Cristo.
40 dias depois da primeira possessão diabólica o seu rosto desfigurado pelos sofrimentos repentinamente se transfigura num semblante radiante e angelical, Miriam é então agraciada por 4 dias de possessão angélica. As freiras queriam ficar ao lado da irmã, mas o anjo através dela diz: “Cordeirinhos, Nossa Senhora conhece o seu desejo de ficar junto do pequeno nada, mas ela quer que cada qual vá cuidar de seus afazeres; ela ficará com vocês. Poderão voltar à hora do recreio, uma vez que a regra o permite.” Perguntado quem era o anjo disse: “Sou um dos que sobem e descem”, “sou o anjo de Maria”.
Exclamações de santa Miriam:
- Durante êxtase: “Deus instala sua morada na alma simples e humilde. Entre Jesus e o orgulhoso está um bloco de rocha. Entre Jesus e a alma humilde apenas existe uma cortina transparente. A alma humilde já está no céu e se alegra do mesmo modo como na terra e no céu. O humilde é mais agradável a Jesus e consolador, do que a chuva prolongada em uma terra ressequida.”
- Em êxtase exclamou triunfalmente: "Como é linda a família do céu. Lá tenho o Pai do Céu, nosso Irmão Jesus, o Espírito Santo, amor pessoal do Pai e do Filho, minha Mãe, meu papai José, todos à minha espera. O padrinho profeta Elias está acenando. A querida Teresa de Jesus já está me chamando. Como é celestial viver o espírito de família na terra, que é o ensaio da vida familiar no céu. Somos imagens de Deus família. É o único instinto de cada criatura humana".
- “Se me querem encontrar depois da morte ...comunguem.”
De fato, a comunhão com Jesus realiza a comunhão dos santos.
Na hora da morte, dia 26 de agosto de 1878, sugeriram-lhe a invocação: meu Jesus, misericórdia! Ela disse: ”Oh, sim, misericórdia!” Fizeram-lhe beijar o crucifixo, deram-lhe a última absolvição e ela entregou sua alma ao Criador, com um sorriso celestial.
Ainda após a morte outro sinal extraordinário que confirmou o nome que ela assumiu: seus braços se abriram em forma de cruz! Foi preciso a prioresa dar ordens em nome da obediência para que pudessem colocar a tampa do caixão. Obedeceu até depois de morta.


Bibliografia: “Mariam a carismática” – Pe. Amedee Brunot, Ed. Loyola; “O Nadinha da Pequena Arabe”- Pe. Afonso de Santa Cruz

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Falou pouco mas disse muito

Ao dar carona após a missa para uma irmã religiosa meu pai observou: "a irmã Geraldina sempre com um sorriso no rosto!" e ela imediatamente respondeu: "claro, nós que temos Deus somos alegres!", e continuou com entusiasmo e doçura: "Pois se Jesus foi tão bom para conosco e MORREU NA CRUZ PARA NOS DAR O CÉU! Por que é que eu vou ficar triste?"


Foto de bebê com cerca de 8 semanas de gestação (quase 2 meses)
           
O DOM DA VIDA
A vida humana começa no momento da concepção, momento sagrado em que Deus dá a vida a um novo ser humano.
Com apenas 18 dia após a concepção o pequeno ser humano já possui um coração bombeando sangue a todo seu frágil corpinho e um cérebro que começa a se especializar cada vez mais. com apenas 8 semanas (quase 2 meses), o bebê já possui todos os sistemas corporais funcionando, até mesmo impressões digitais. MÃE, SEU BEBEZINHO possui um coração, possui um cérebro, possui uma alma, tem sentimentos, emoções como qualquer outro bebê já nascido e é SEU FILHO(A), inocente e indefeso. MÃE, AME SEU FILHO(A) E PROTEJA-O(A).